Warning: ob_start(): non-static method wpGoogleAnalytics::get_links() should not be called statically in /home/viapereg/viaperegrina.com.br/home/home/wp-content/plugins/wp-google-analytics/wp-google-analytics.php on line 259
solidariedade | Via Peregrina

Entries tagged with “solidariedade”.


Ontem eu conversava com um amigo – professor Eduardo Silva – e contava a ele coisas sobre caminhadas de peregrinação. Então, percebi o valor de um dos ensinamentos que é adquirido em uma jornada dessas.

Eu tenho a preferência de não agendar um grupo para peregrinar. Simplesmente entro em contato com a organização do caminho, vejo as datas disponíveis e lá vamos nós. Tem sido assim em todos os nove caminhos que já percorri. Se houver mais alguém no mesmo período – sempre aconteceu nas peregrinações a pé – muito bem. Senão, será uma jornada solitária – como ocorreu nas minhas três peregrinações de bike.

Mas, a idéia de hoje nem é falar das maravilhosas e instantâneas amizades que se forma. A idéia é falar sobre caminhar em grupo.

Muito bem. É hábito saudável todos tomarem o café da manhã juntos. A rotina é acordar, arrumar as mochilas, ir para o café da manhã, confraternizar, preparar as mochilas e partir. Quase sempre, saímos juntos. No entanto, ao longo do dia, cada um vai fazendo o seu ritmo do dia. Algumas vezes, acompanhamos uma pessoa especificamente, outras vezes, estamos com um outro amigo de caminhada e assim por diante.

Os ponteiros chegam, acomodam-se e depois aguardam os demais. Então, procede-se uma festa. Aos que aguardam, a alegria de ver o outro conquistar mais um trecho do trajeto, oferecendo sua solidária recepção. Aos que chegam, a felicidade de mais um objetivo cumprido e a receptividade do outro que lhe aguardava.

Com paciência e disciplina, todos chegam. Esse é o natural.  Os caminhos, sobretudo os do Brasil, são projetados com distâncias compatíveis e possíveis para uma gama enorme de nuances e níveis de peregrino.

Quando partimos, no primeiro dia, temos um objetivo. Sair hoje e chegar alguns dias depois e vários quilômetros à frente. Preferencialmente, inteiros! Mas, ao longo dos dias, fracionando o caminho, temos metas. Uma quantidade de quilômetros que deve ser percorrida preferencialmente naquele dia (!). Afinal, ninguém deseja passar a noite ao relento ou em algum lugar que não estava programado.

Para cumprir as metas do dia, cada um faz seu ritmo. Uns mais lentos, outros mais velozes. Mas todos chegam, afinal.

Como você aplicaria isso a sua vida? Conseguiu visualizar alguma situação na sua vida pessoal ou profissional em que as metas devem ser atingidas em conjunto com outras pessoas? Sinta que é possível seguir, cada qual o seu ritmo, adequado às batidas do coração. Pense nisso! Até a próxima semana.

  • Share/Bookmark

Outro dia em conversava com minha mulher quando, subitamente, a conversa virou um exercício filosófico que vou compartilhar com você, agora.

Estávamos conversando sobre a criminalidade e, então, comecei a pensar sobre a ética e sua aplicação em nossa vida. Afinal, tenho ouvido há tempos reclamações sobre a crise ética em nosso país e no mundo, como as relações estão perdendo este importante componente.

Falando sobre crime, um roubo ou furto, é relativamente simples compreender a falta de ética. Alguém trabalhou, PRESTOU um serviço a outra pessoa, dispondo de seu tempo e, em troca, foi remunerado.

Com esta remuneração, adquiriu algum bem ou portava algum dinheiro, quando um ladrão o assaltou. É certo que, de certa forma, o fascínora tem sua dose de trabalho – vencer o medo, observar, planejar ou não a abordagem. Mas, convenhamos, o assaltante NÃO PRESTA SERVIÇO ALGUM a ninguem. Naquele momento, pensa somente em satisfazer sua própria necessidade, mesmo que isto custe a transferência de sua dificuldade em sobreviver a outrem.

Um trabalhador ou operário, ao escolher exercer sua atividade profissional, qualquer que seja, também decidiu que seu trabalho prestará um serviço a outra pessoa. Mesmo que trabalhe operando um equipamento em uma indústria, o produto manufaturado, fruto de seu trabalho e operação terá a função de prestar um serviço a algum consumidor. Um automóvel faz a viagem ficar mais rápida e, se possível segura, confortável e até conferir status. Um sabonete facilitará a limpeza e a desinfecção, melhorando a saúde de quem o utiliza e assim por diante.

O trabalho, como diz o ditado, enobrece e dignifica o Homem, porque é sua função neste plano: colaborar para o desenvolvimento do Universo, a partir de sua ajuda ao próximo – neste caso, refiro-me à sua atividade produtiva, não excluindo a solidariedade, mas falando da ética da produção.

O ladrão, seja de qual forma que o corrompa (ladrão, estelelionatário, corrupto, batedor de carteira, etc.), aproveita-se do esforço de outra pessoa, sem que ninguém mais, a não ser ele mesmo, seja beneficiado pela sua ação. Quando subtrai o que não é seu, alguém ficará sem.

E você? Tem idéia da importância de seu trabalho? Consegue visualizar o benefício que ele traz a outra pessoa? Como se sente ao verificar que ele é importante, muito mais do que pode imaginar? Conte a si mesmo como sua ética lhe faz feliz a partir da felicidade de outra pessoa. Pense nisso. Até a próxima semana.

Rodolfo Nakamura

  • Share/Bookmark