Ano passado, ocorreu um aborrecimento. Estava no trabalho e recebi um telefonema. Era o banco confirmando operações financeiras. Como eu não reconheci o último débito, concluiu-se que meu cartão magnético havia sido clonado. Confere-se documentos, tirados da carteira. Correria. Alguém me chamou naquele ambiente público. Esqueci a carteira sobre a mesa.

Quando me dei conta, várias horas já haviam passados. Esperanças vãs de que a carteira estivesse dentro do carro, ou ainda que fosse possível encontrá-la em algum lugar, não se confirmaram. A carteira foi furtada.

O que me deixou chateado é que trabalho em uma instituição de ensino de nível superior. Circulam técnicos, professores e alunos no laboratório. Alguém encontrou minha carteira – e não entregou a ninguém, nem à segurança da instituição.

Falta, no país, a cultura da honestidade. Tanto é verdade que, quando alguém encontra documentos ou dinheiro e procura entregá-lo ao verdadeiro proprietário do bem, sai até no noticiário, em rede nacional, no horário de maior audiência. Ser honesto deveria ser normal.

Chateação à parte, fui atrás do prejuízo. Providencei todos os documentos e a vida segue.

Pensando bem, minha carteira de identidade, embora em bom estado, era muito velha. Precisava fazer uma nova via, com foto nova. Até a assinatura já era outra. A carteira de motorista precisava atualizações. Eu estava protelando. Então, tinha mesmo que renovar. E assim foi, com vários documentos e cartões de banco. Ou seja, precisava de um empurrãozinho.

Também me chamou a atenção para  a necessidade de valorizar o dinheiro e tudo que estava na carteira. Outro fato é que eu havia passado, por aqueles dias, por vários pequenos sustos. Depois do furto, senti que alguma energia que me acompanhava, mudou de endereço. Não estava mais comigo. Analisando melhor, acho que foi uma bênção. Apesar do transtorno, tive uma quebra no ritmo de vida que foi providencial.

Passado mais de um ano, olhando para trás, vejo o quanto minha vida melhorou desde então. Apenas notícias boas e grandes problemas resumindo-se a providenciais soluções. Agradeço todos os dias que essa energia mudou. Talvez tenha sido naquela noite.

Como você se sente quando pequenos aborrecimentos visitam a sua vida? Já parou para escutar a sua voz interior que está querendo dizer algo? Uma pausa, uma renovação, talvez? Veja que tudo, na vida, tem vários pontos de vista. Há males que vem para bem. Pense nisso. Até a próxima semana.

  • Share/Bookmark